As pulgas convivem com o ser humano há muito tempo. Um momento especial em que esses insetos estiveram presentes na história da humanidade foi durante a idade média, quando houve surto da peste negra, doença responsável por uma das mais trágicas epidemias que assolaram o mundo ocidental. Conforme alguns pesquisadores, a doença é originária das estepes da Mongólia, onde pulgas hospedeiras da bactéria Yersinia pestis infectaram diversos redores que entraram em contato com zonas de habitação humana. Na Ásia, os animais de transporte e as peças de roupa dos comerciantes serviam de abrigo para as pulgas infectadas. O intercâmbio comercial entre o Ocidente e o Oriente, reavivado a partir do século XII, explica a chegada da doença na Europa.

AS pulgas são animais pertencentes ao Filo Arthropoda (animais com patas articuladas e exoesqueleto de quitina), Classe Insecta (possuem 3 pares de patas, 1 par de antenas e corpo dividido em cabeça, tórax e abdome), Ordem Siphonaptera (siphon = tubo; áptera = sem asas), com mais de 2.400 espécies conhecidas. No Brasil, já foram identificadas cerca de 56 espécies. Para diferenciar umas espécies das outras, os cientistas se baseiam, principalmente, nas numerosas cerdas presentes na cabeça, atrás das antenas, e nas localizadas próximas à boca.

As pulgas adultas são hematófagas obrigatórias, ou seja, alimentam-se exclusivamente do sangue retirado de seus hospedeiros, os quais são aves e mamíferos, incluindo os humanos. Devido a essa relação de prejuízo para o hospedeiro (que tem seu sangue sugado) e de vantagem para a pulga (que se alimenta do sangue do hospedeiro, prejudicando-o), este inseto é considerado um parasita, que, por viver na parte externa do corpo do hospedeiro, é chamado de parasita externo ou ectoparasito. Durante a fase larvária possuem hábitos de vida livre.

Algumas espécies apresentam um hospedeiro específico; outras, embora apresentem hospedeiros preferenciais, podem sugar outros animais, daí sua importância na transmissão de doenças.

As espécies mais importantes de pulgas são:
Pulex irritans É a que mais a ataca o homem, porém pode se alimentar também do sangue de outros hospedeiros;
Xenopsylla cheopisÉ a pulga dos ratos domésticos, principal transmissora da peste bubônica (também conhecida como “peste negra”);
Ctenocephalides canis e Ctenocephalides felis – Parasitas preferenciais de cães e gatos.

Tunga penetransConhecida popularmente como “bicho-de-pé. Porco, homem, cão e gato são seus principais hospedeiros. Em geral, penetra o pé do homem, causando coceira e podendo transmitir outras doenças, como tétano e micoses.

As pulgas podem viver em dois ambientes: No hospedeiro (maioria das espécies), podendo ser encontradas em dois lugares:
– Nos pelos, alimentando-se intermitentemente;
– Na pele, onde penetram todo o corpo e alimentam-se permanentemente: 
– Fora do hospedeiro (ninho), procurando-o apenas para hematofagia;
– Em seu ciclo de vida, a pulga passa por quatro estágios de
desenvolvimento: ovo, larva, pupa e adulto.

O acasalamento geralmente ocorre no hospedeiro, e com apenas um acasalamento inicial a fêmea é capaz de pôr cerca de 500 ovos divididos em várias posturas de seis ovos ou mais. Estes ovos são normalmente depositados no próprio hospedeiro e por não serem pegajosos caem sobre o solo ou sobre outros locais aos quais o homem e/ou outros animais têm acesso.

Pulgas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *